segunda-feira, 7 de setembro de 2009


Um grito só não basta, é pouco, vulnerável,
seria transformado em vento.

Insegurança,
a cada segundo que passa.
Lágrimas tímidas,
rolam sem jeito,
é o que está mais perto,
de aliviar o sofrimento.
A dor é incessante,
o medo é sufocante.
As palavras tem que fluir
aos poucos,
porque
precisam ser medidas, pensadas.
Quando ele está perto,
me fecho.
Quando está longe me liberto.
Descrever o pavor,
não caberia nesta poesia.

Autora:
Sandra Ribeiro


2 comentários:

Diego disse...

San sabe que te gosto pra caramba né? Se precisar de alguma coisa, não fica calada não, procure seus amigos ta? Beijos.

Nada do que eu faça pode mudar o destino. disse...

covardia afff...